sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Clipping


























Alguns testes são marcantes.

Mais Uma

A Honda está expandindo sua fábrica em Milton Keynes.

O objetivo é poder atender outra equipe no futuro.

Porém é preciso lembrar que provavelmente a McLaren ainda possui o poder
de vetar esse tipo de aventura.

Ganhando Experiência

O mexicano Alfonso Celis Jr. continua com sua programação de testes com a
Force India.

Nova Direção

Os planos da Liberty (nova controladora da Fórmula 1) passam por três pontos
básicos.

Mais patrocinadores.

Mais atividades nas TVs por assinatura.

E mais corridas no calendário.

Projeto Manor

A Manor possui um plano definido para seu futuro.

O time mostrou isso ao abandonar o desenvolvimento virtual (herança da Caterham)
que reduzia os custos de forma significativa.

Entretanto, esse modelo não trazia resultados na pista e atrasava a evolução dos
bólidos.

E a evolução constante é um dos segredos da categoria máxima do automobilismo.

Com isso em mente, Fitzpatrick investiu em pessoas.

A lista é boa.

Pat Fry (McLaren e Benetton) engenharia, Gianluca Pisanello (Toyota e Caterham)
na estratégia de pista, Luca Furbatto (Toro Rosso e McLaren) no design, Thomas
Mayer (Renault) chefe executivo, Nikolas Tombazis (Ferrari, Benetton e McLaren)
aerodinâmica, Dave Ryan (McLaren) para as coordenar as corridas e como diretor
técnico temos John McQuilliam (Williams e Jordan).

Outro passo foi a parceria com a Mercedes, que ultrapassa o fornecimento de motores.

As presenças de Pascal Werhlein e Esteban Ocon refletem isso.

No paddock a escuderia recebeu o apelido de Toto Rosso, numa referência clara
a influência de Toto Wolff.

Tudo isso para se transformar em uma equipe sólida.

E daqui a quatro temporadas estar brigando no meio do grid ao invés das últimas
colocações.

Conflitos

Existem muitos rumores sobre quais pilotos estariam na Renault em 2017.

Diversos nomes foram (e estão) sendo cogitados.

As dúvidas nasceram da divisão de poder entre Frederic Vasseur e Cyril Abiteboul.

Abiteboul cuida parte administrativa e está sempre presente nas duas sedes de
Viry-Chatillon e Enstone.

Já Vasseur é o homem da prática, figura fácil nos circuitos.

Apesar dos trabalhos definidos, existe uma confusão na hora de definir a estratégia
de contratação de pilotos.

Vasseur abriu tratativas com Felipe Massa, Valtteri Bottas e Carlos Sainz.

Ele também colocou sobre a mesa a possibilidade de fornecer unidades de força
com desconto para a Toro Rosso em troca de seus drivers.

As negociações com Daniil Kvyat e Sergio Perez envolvendo patrocinadores
foi o ápice do problema.

Pois Vasseur invadiu a parte (financeira) que cabe a Abiteboul.

Os atropelamentos acabaram por empacar qualquer avanço.

Apesar de tantos nomes.

Entretanto, um piloto jovem parece ser um ponto pacífico.

Nesse sentido, Kevin Magnussen (que foi sondado pela Sauber) e Esteban
Ocon são os nomes preferidos.

Olhando o cenário, fica a impressão de uma briga por poder.

E briga não combina crescimento.

Frase

"Quando eu olho para Lewis, ele vejo um DJ, um rapper.

Ele tem um grande talento, mas se você quiser vencer precisa se concentrar apenas
em uma coisa.

Se eu fosse ele, eu iria me preocupar menos com a música e mais com a Fórmula 1."

Flavio Briatore.

Por Fim

Uma imagem

Massa e Alonso com Stroll













terça-feira, 20 de setembro de 2016

Vagas
























Assim.

McLaren, Williams, Ferrari, Sauber, Mercedes e Red Bull fechadas para 2017.

Toro Rosso, Renault, Force India (as três intimamente ligadas), Manor e Haas
ainda não.

segunda-feira, 19 de setembro de 2016

Clipping



























Campeonato

Rosberg começou de forma avassaladora.

Lewis virou o jogo.

Ambos tiveram bons e maus momentos.

Agora Nico retoma a liderança após três vitórias seguidas.

A Mercedes parece contar com os dois melhores pilotos do grid na atualidade.

Talvez.

Novela Mexicana

Sergio Perez havia convocado uma coletiva de imprensa para Cingapura.

Nos moldes da "Williams despedida de Massa".

Claro, para fazer um grande anúncio.

Informar sua ida para a Renault Sports.

(que não é mãe dele)

Mas apesar dos esforços de Carlos Slim (que não é pai de Checo), a Force India
insiste em dificultar a saída do piloto.

O bilionário não quer pagar a multa contratual.

Afinal ninguém ficou rico gastando dinheiro.

Segue a novela.

Sempre com nome compostos.

Oferta

A Ferrari já vinha tratando com Paddy Lowe (Mercedes).

Foram meses de negociação.

Entretanto ele deve ficar onde está.

Recursos

Rio Haryanto já começou a negociar seu retorno.

Tempestade

Muitos estão esperando uma Red Bull líder na próxima temporada.

Se acontecer, penso que teremos muitos atritos entre os pilotos.

A razão é que um é superestimado e o outro subestimado.

Ricciardo é um guerreiro.

Daqueles que lutam até o fim.


sábado, 17 de setembro de 2016

sexta-feira, 16 de setembro de 2016

Foi
























A vizinhança detectou movimentos estranhos em Hungaroring.

Mais tarde o som deixou claro que na pista andava um bólido da Fórmula 1.

Piloto (capacete branco), carro (branco), caminhões e equipe sem qualquer
identificação.

Acho que Lance Stroll começou o seu programa de testes com uma Williams
de 2014.

A estreia na categoria máxima do automobilismo está próxima.

Paraolimpíadas F1





















Bom dia petrolheads!

Sim.

Teve o Zanardi (de novo, diga-se de passagem).

Mas também teve a Karen Darke.

Ouro no feminino.

Com uma bike de fibra de carbono feita em Grove pelos engenheiros
da Williams.

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Clipping























O Novo

Na imagem acima está Matheus Leist.

Piloto brasileiro que conquistou neste final de semana o título da F3 inglesa.

Dez pontos no bolso para a super-licença da FIA e um belo cartão de visita
para evoluir em novas categorias.

Acho que o passo natural seria a F3 Europa.

Com certeza o jovem (18 anos) e seu empresário Danilo Dirani já devem estar
estudando cuidadosamente todas as opções.

Duas coisas importantes.

A primeira.

Leist parece realmente talentoso.

Principalmente quando olhamos seus resultados e as circunstâncias de competição
em que foram obtidos.

A segunda.

O rapaz (que tem um irmão no Kart americano) deve contar com um apoio
financeiro forte.

Sua família está ligada ao grupo Paquetá, do sul do país.

Um gigante dos calçados (Dumond, Ortopé) que emprega 18 mil pessoas e
que possui fábricas no Brasil e exterior.

Seus interesses também atingem operações financeiras e o setor imobiliário.

Estamos falando de mais de dois bilhões de faturamento.

Leist é um brazuca que tem tudo para ir longe no automobilismo.

Haryanto Vive

Piers Hunnisett (o empresário de Rio) disse que seu pupilo conseguiu
patrocinadores (privados) para seguir na Fórmula 1.

O problema foi o prazo dado pela Manor.

Assim, o asiático segue otimista em conquistar um lugar no grid na próxima
temporada.

Magnussen e...

Havia uma expectativa de que a Renault revelaria seus pilotos.

Mas os franceses seguraram a decisão.

Kevin Magnussen mantém suas esperanças em continuar.

Palmer

Jolyon Palmer possui baixa expectativa do mercado.

Interessante que Jonathan (pai de Jolyon) se mostrou interessado em adquirir
o circuito de Silverstone.

Se você não sabe, o velho Palmer já é dono de Brands Hatch, Oulton Park,
Snetterton e Cadwell Park.

Detectando Movimentos

O russo Artem Markelov (GP2) está cavucando na Fórmula 1.

Valores Materiais

A Sauber diz que o dinheiro não vai influenciar a escolha de quem irá ocupar
seus cockpits.

Segredo

Ninguém sabe a duração do contrato de Stoffel Vandoorne com a McLaren.

Parceria

A Ferrari pediu auxílio para a Dallara no desenvolvimento do seu bólido para
2017.

Fabricante italiano que produziu o chassi para Haas nesta temporada.

Depois de perder James Allison, Antonio Spagnolo (Williams) e Corrado Lanzone
(não confundir com Roberto Corradi, ex-Ferrari, mas ainda na FIAT - Maserati), a
Scuderia Italiana deve estar mesmo precisando de reforços...















domingo, 11 de setembro de 2016

Indo























Daytona.

O menino com a Ganassi no início deste ano.

Impressionando o dono da equipe.

Nas três etapas da F3 realizadas em Nurburgring neste final de semana,
Lance Stroll faturou duas e chegou em terceiro na última.

O título parece ser questão de tempo.

Tudo indica que seu pai se tornou acionista da Williams numa operação financeira
recente.

No próximo mês Lance vai iniciar seu treinamento intensivo com um bólido de 2014
do time de Frank em diversas pistas do calendário da Fórmula.

O foco será aquelas nas quais o jovem piloto canadense ainda não conheceu.

Parece atropelado?

Mas o plano não é novo.

Lembra de 2015?

Clique aqui.

sábado, 10 de setembro de 2016